Pular para o conteúdo principal

Percebi mudanças

Se esta não é sua primeira visita aqui no blog já deve ter observado que falo muito sobre mudança; pois é, isso vem me marcando. As coisas mudam, é verdade. Em parte porque nós as fazemos mudar, afinal, mudar é um ato de coragem, ou melhor, uma sequência de pequenos atos de coragem, mas há mudanças que superam nossas mãos, vão além de nós.

Neste último semestre de faculdade me encontrei em meus dois últimos estágios e, como se não fosse suficiente serem os últimos, escolhi duas escolas importantes para mim e de grande significado para a minha formação pessoal: as escolas em que estudei anteriormente. Voltei, em outra posição, as coisas mudaram.

Anos atrás estava longe da sala dos professores, conversando com os colegas na hora do intervalo, sorrindo levemente para as professoras de longe. Agora as crianças me abraçavam e me perguntavam quando voltaria na sala delas, eu recebia abraços e tomava chá com os professores. Estava em uma posição intermediária: nem aluna como eles, nem professora, era estagiária. Se antes ficava curiosa quando via alguém mais velho, de fora, na sala de aula com um caderno de anotações, agora era eu quem anotava observações e recebia um milhão de perguntas e olhares curiosos.

Estas experiências foram a perfeita mescla de mudanças, pois em parte as promovi, em parte tiveram a ver com outras coisas: o tempo, a surpresa da forma equivocada como me via (quem diria, há pessoas que lembram de mim!)... Mudar é tão gratificante quando percebemos que mudamos para a melhor, que nos tornamos cada vez mais o melhor de nós mesmos!

Descobri que não precisava de tanto medo, vi que não era invisível, percebi que às vezes mesmo sem perceber deixamos boas lembranças apenas por sermos nós mesmos. Conquistei, pouco a pouco, uma firmeza que não esperava ter um dia e, vou te contar, ainda falta muito o que mudar, mas de pequenas atitudes em pequenas atitudes, eu chego lá.

Isabela C. Santos

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O lado ruim do carnaval

Confesso que não sou fã de carnaval e não quero mudar a idéia de ninguém, mas como estou vivendo minha tortura anual... vou compartilhar com vocês o lado ruim do carnaval!

1º Programação na televisão: não sei se na "tv paga" também, mas na aberta a programação fica horrível, só se fala de carnaval, dia e noite. Isso é uma verdadeira tortura pra quem não gosta.

2º Perigo nas ruas: o perigo sempre está por ai, mas no carnaval piora, acredite em mim. Brigam com pessoas por ai por nada, espancam jovens, batendo no corpo e principalmente na cabeça, o que pode deixar seqüelas gravíssimas e até levar a óbito.

3º Desrespeito: muitas pessoas tacam lama nos ônibus com janelas abertas e outros resolvem molhar pedestres por ai, sim, eu sei que fazem isso o ano todo, mas no carnaval piora.

4º Bobos na rua: acho que ninguém gosta de quando te dão aquele susto com "bombinhas" e outras coisas toda hora.

Achei que minha listinha ia ficar maior... ah, lembrei! Não é legal pra mim ficar …

Esta data

Esta data sempre me trará lembranças daquela noite e essas lembranças sempre me trarão a sensação de que foi ontem que tudo aconteceu. Datas têm o poder de nos fazer lembrar e as lembranças nos transportam no tempo. Eu sei, tudo muda, a vida segue. O modo como lidamos com o que sentimos também muda e as emoções que determinadas lembranças nos trazem também. Antes era apenas dor, a dor virou saudade, a saudade virou amor e gratidão. Tem coisa melhor do que sentir amor por alguém? Do que ser grato por ter sido tocado por uma vida? Eu sei, queremos eternizar tudo o que é bom, queremos prender, jamais deixar partir, mas isto não está em nossas mãos e apesar de não podermos segurar em nossas mãos aquilo que não queremos perder, depois de um tempo o que fica é a alegria de poder ao menos ter tido a presença de algo tão importante em nossas vidas.
Isabela C. Santos

8 anos

Em oito anos muita coisa pode mudar: o modo de ver a vida, o modo de falar sobre a vida, os assuntos relevantes, as pessoas importantes, os relacionamentos, o modo como nos colocamos diante dos outros, a visão sobre nós mesmos, o conhecimento que possuímos sobre nossos sentimentos... E isso é só o começo.
Em oito anos podemos passar por muitas reviravoltas, ou simplesmente (com muita luta), seguir nossos planos. Podemos, quase que de repente, dar-nos conta do que queremos para nossas vidas e nos ver em um lugar que jamais sonhamos. Talvez o novo lugar contribua para que mudemos a nossa visão de mundo, force-nos a sair da zona de conforto e quebrar um muro para podermos falar com os outros. Pode ser que "os outros" tornem-se "amigos".
Em oito anos, as reticências podem sumir e dar lugar ao nome do amor da sua vida. Pode ser que, coincidentemente, seja aquele seu amigo de infância. Amigo que antes a timidez não permitia nem mesmo chegar perto. Talvez os planos que u…